http://igeologico.sp.gov.br

Geologia de Engenharia e Ambiental

  • 01/12/00

    Zoneamentos geotécnicos aplicados à gestão ambiental, a partir de Unidades Básicas de Compartimentação – UBCs.

    Projeto de capacitação - Tese de Doutoramento. Apresenta-se uma estrutura metodológica para a realização de cartografia geotécnica com vistas a sua aplicação plena em estudos e atividades de gestão ambiental. A partir do cenário de gestão ambiental e das características gerais da cartografia geotécnica, identifica-se o zoneamento geotécnico como o formato de representação cartográfica mais adequado para a representação de informações geológico-geotécnicas. A obtenção de zoneamentos geotécnicos é estruturada em três etapas básicas: compartimentação fisiográfica dos terrenos; caracterização geotécnica; e cartografia temática final ou de síntese. O caráter fisiográfico da etapa de compartimentação dos terrenos e a utilização de procedimentos sistemáticos de foto-interpretação permite a determinação de Unidades Básicas de Compartimentação (UBCs) que constituem a base para a determinação de unidades geotécnicas. Os procedimentos operacionais contemplados nas três etapas permitem uniformizar a elaboração de produtos geotécnicos com caráter de avaliação de áreas naturais sobre as fragilidades e potencialidades do terreno. Possibilita, ainda, a adaptação dos procedimentos para a avaliação de áreas antropizadas. A aplicação do método em áreas do litoral do Estado de São Paulo e na Região Metropolitana de Campinas, permitiu verificar sua operacionalidade e eficiência na oBtenção de zoneamentos geotécnicos, voltados a subsidiar o planejamento e o gerenciamento dos espaços e recursos naturais. Orientação: Prof. Dr. Juércio Tavares de Mattos (IGCE - UNESP).

    Leia mais

  • 01/01/00

    Análise da ocorrência de processos erosivos no município de Campinas (SP), a partir da interação entre a suscetibilidade natural a erosão hídrica e o uso e ocupação do solo.

    Projeto de capacitação - Tese de Doutoramento desenvolvida na área de Geociências e Meio Ambiente pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas - UNESP/Rio Claro. A crescente urbanização nas cidades do interior do Estado de São Paulo, associada à falta de estrutura urbana em novos loteamentos e conjuntos habitacionais, além da suscetibilidade dos terrenos, cria uma situação extremamente favorável ao desenvolvimento de processos erosivos de grande porte. Várias cidades do Estado de São Paulo, instaladas em terrenos constituídos por solos de textura arenosa e relativamente profundos, apresentam problemas de degradação de sua área urbana por processos erosivos, causados principalmente pela concentração das águas de escoamento superficial (pluviais e servidas). Em muitas cidades, as erosões promovem situações de risco para a comunidade, ante o seu grande poder destrutivo, ameaçando habitações e obras públicas, transformando-se no condicionante mais destacado na limitação para a expansão urbana, e assentamento de obras de infra-estrutura. Assim, os resultados do trabalho realizado demonstraram ser possível caracterizar, prevenir, minimizar e corrigir os efeitos do desenvolvimento de processos erosivos e os danos causados à ocupação dos terrenos. São apresentados os estudos das ocorrências de feições erosivas no município de Campinas (SP), onde se estabelece a interação entre o uso e ocupação do solo e a suscetibilidade natural dos terrenos à erosão hídrica. Foram elaborados dois documentos cartográficos, a carta de suscetibilidade natural à erosão hídrica do solo e o mapa de uso e ocupação do solo, os quais analisados conjuntamente possibilitaram estabelecer diretrizes para o planejamento urbano do município. A metodologia proposta permitirá a sua aplicação em outras áreas do estado de São Paulo que apresentem problemas semelhantes. Orientação: Prof. Dr. Vicente José Fúlfaro (IGCE - UNESP).

    Leia mais

  • Análise morfodinâmica das vertentes da Serra do Juqueriquerê em São Sebastião, SP

    Projeto de capacitação - Dissertação de Mestrado desenvolvida na área de Geografia Física - Geomorfologia pelo Departamento de Geografia - FFLCH - USP. Este projeto foi desenvolvido em área localizada no setor norte do município de São Sebastião que abrange os bairros de São Francisco da Praia e Pontal da Cruz, com o objetivo de caracterizar o comportamento morfodinâmico e as interações do meio físico com a ação modificadora do homem, por meio da análise geomorfológica. A área foi analisada quanto ao potencial de instabilização (fragilidade), com base na carta geomorfológica e na correlação dos fatores naturais e antrópicos envolvidos, fornecendo subsídios ao planejamento físico-territorial. O mapa geomorfológico constitui o produto principal deste projeto, elaborado a partir da análise e interpretação de fotos aéreas e complementado com as observações de campo. Este mapa contém as unidades morfoesculturais e as unidades morfológicas ou padrões de formas semelhantes, os tipos de vertentes, os depósitos de material detrítico das vertentes e das planícies, as formas de processos morfodinâmicos atuais e/ou recentes e as formas antrópicas. O mapa geomorfológico, assim elaborado, permite visualizar, ao mesmo tempo, os componentes do relevo individualmente e no seu conjunto, tornando-se um instrumento de análise e síntese do relevo. Orientação: Prof. Dr. Jurandir L. S. Ross (Departamento de Geografia - FFLCH/USP).

    Leia mais

  • 01/12/99

    Metodologia para Seleção de Áreas para Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos.

    Neste estudo houve o desenvolvimento metodológico e a definição de critérios específicos para seleção de áreas potenciais para disposição de resíduos. Considerou-se uma abordagem em caráter regional (escala 1:100.000), baseada na análise e interpretação de imagens de satélite, e que permitisse a otimização de tempo, de recursos humanos e financeiros. A metodologia desenvolvida foi aplicada à Região Metropolitana de Campinas, a qual inclui dezoito municípios e uma superfície de 3.345 km². A elaboração da metodologia proposta considerou as características geoambientais que possam interferir tanto nas condições de segurança de um empreendimento de recebimento de resíduos, como também na manutenção da qualidade ambiental da região circunvizinha a ele. Assim, foram estudados quatro aspectos fundamentais envolvidos na gestão de resíduos: sócio-políticos, fisiográficos, hidrogeológicos, e climáticos. Após o levantamento e análise dos elementos de interesse para o estudo, foram definidas classes de características e de propriedades consideradas: eliminatórias (determinam áreas que devam ser descartadas para o uso pretendido) e restritivas (possibilitam a hierarquização de áreas potenciais com maior ou menor restrição ao uso pretendido). Assim, é possível priorizar ou planejar estudos de detalhe que subsidiem a definição do tipo de obra mais adequado e de levantamentos e investigações necessários para viabilizar a implantação de um empreendimento.Às informações produzidas e levantadas estão associados sete mapas: de aspectos sócio-políticos; geológico; de compartimentação fisiográfica; de suscetibilidade a processos de erosão, escorregamentos e inundações; de vulnerabilidade natural dos aqüíferos à contaminação; de aspectos climáticos; de áreas selecionadas para disposição de resíduos. A cada mapa estão relacionados bancos de dados. Como produto final foi produzido um Sistema de Informações Georeferenciadas, que permite consultas gerais e dirigidas aos produtos cartográficos, além de associação de mapas e dados.

    Leia mais

  • 01/01/99

    Geologia estrutural do embasamento cristalino da região de São Sebastião e sua aplicação ao estudo de escorregamentos

    Projeto de Capacitação - Dissertação de Mestrado. A área de estudo situa-se no município de São Sebastião e abrange litologias pertencentes ao embasamento cristalino, constituído de rochas de médio e alto grau metamórfico e de granitóides deformados. O projeto tem como objetivo a caracterização da geometria e evolução estrutural das rochas do embasamento cristalino, o que será obtido a partir da análise qualitativa e quantitativa das estruturas dúcteis e rúpteis, situando-as no contexto da evolução tectônica regional e, quando possível, associando-as aos processos atuais de instabilidade de massas. A participação do Instituto Geológico - SMA em projeto para elaboração da carta de riscos do município de São Sebastião estimulou a idealização desta pesquisa no sentido de analisar as feições tectônicas que, junto com litologias, relevo, solos, clima e hidrologia, controlam a ocorrência de escorregamentos na área daquele município. Portanto, este estudo, além de contribuir para o conhecimento geológico de uma área ainda pouco conhecida, vai poder subsidiar atuais e futuras investigações geotécnicas na região. Os trabalhos do projeto incluem a compartimentação da área em domínios litoestruturais homogêneos tendo como referência as feições potencialmente indutoras de instabilidade de materiais aos processos atuais da dinâmica superficial. Dissertação de Mestrado orientada pelo Prof. Dr. Ginaldo A. da C. Campanha, do IG/USP.

    Leia mais

  • 01/01/97

    Ambientes de sedimentação e tectônica do Grupo São Roque na região de Pilar do Sul – Votorantim

    Projeto de capacitação - Dissertação de mestrado desenvolvida na área de Geologia Sedimentar pelo Instituto de Geociência/USP. A área deste projeto localiza-se a sudeste de Sorocaba em porção de borda da Bacia do Paraná. Teve como principais objetivos: (1) a caracterização de fácies sedimentares utilizando princípios e métodos de análise de bacias aplicados a um pacote de rochas deformadas e metamorfizadas; (2) a análise estrutural, com ênfase nas feições rúpteis, visando caracterização dos regimes tectônicos e suporte à reconstituição do empilhamento estratigráfico, paleogeografia e comportamento do Grupo São Roque enquanto substrato para a implantação da sedimentação fanerozóica. Em termos dos produtos gerados podem ser mencionados mapas geológico, de associação de litofacies e polaridade estratigráfica, de estruturas rúpteis e de distribuição de paleoesforços para a tectônica rúptil. As principais contribuições dizem respeito a: caracterização de fácies sedimentares do Grupo São Roque, com mapeamento de feições indicativas de polaridade estratigráfica e de paleocorrentes; e proposição de um modelo de evolução inédito para a tectônica rúptil que afeta a região. Dissertação de Mestrado orientada pelo Prof. Dr. Cláudio Riccomini, do IG/USP.

    Leia mais

  • As células de deriva litorânea e a erosão nas praias do Estado de São Paulo.

    Projeto de capacitação - Tese de Doutoramento desenvolvida na área de Geologia Sedimentar pelo Instituto de Geociências - USP. O trabalho compreendeu o estudo morfotextural das principais praias do Estado de São Paulo, entre os municípios de Ilha Comprida e Ubatuba, visando a identificação das células deriva litorânea e o diagnóstico dos processos erosivos costeiros e de suas causas prováveis. Foram lenvantados 348 perfis de amostragem, no inverno de 1992 e no verão de 1993, com a coleta de três amostras em cada perfil e de dados morfológicos da pós-praia, da antepraia e da face litorânea. Para a identificação das células de deriva litorânea e dos processos de erosão costeira foram empregados três métodos de estudo, a saber: (a) Método do Sensoriamento Remoto - análise de fotografias aéreas de várias épocas e escalas e imagens de satélite em papel; (b) Método de TAGGART & SCHWARTZ- modificado - baseado na análise das variações dos parâmetros texturais (diâmetro médio, desvio padrão e curtose) e morfológicos (largura e inclinação) das praias; (c) Método de McLAREN - baseado na análise de parâmetros texturais (diâmetro médio, desvio padrão e assimetria). As causas dos processos erosivos na costa paulista foram relacionadas a fatores naturais, como a dinâmica de circulação costeira e a elevação atual de nível relativo do mar, e a fatores antrópicos, ressaltando-se a destruição de dunas e depósitos marinhos holocênicos, a extração de areia das praias e a construção de estruturas rígidas paralelas e transversais à linha de costa. Orientação: Prof. Dr. Kenitiro Suguio (Instituto de Geociências-USP).

    Leia mais

  • 01/12/96

    Carta de risco a movimentos de massa e inundação do município de São Sebastião, SP

    Este projeto, desenvolvido pelo IG em parceria com a Prefeitura da Estância Balneária de São Sebastião, teve como objetivo principal subsidiar as ações do poder público municipal na gerência, minimização e solução dos problemas de riscos por movimentos de massa e inundação. Para isso, foram elaborados três produtos principais: Mapa de Suscetibilidade aos Processos Potencializadores de Risco a Movimentos de Massa e Inundação (escala 1:50.000); Carta de Risco a Movimentos de Massa (escala 1:10.000); Carta de Risco a Inundação (escala 1:10.000). Para a obtenção desses produtos foram estudados temas básicos (geologia, geomorfologia, uso e ocupação do solo, hidroclimatologia e mineração) que condicionam e/ou interferem na questão do risco a movimentos de massa e inundação. Os resultados desses temas básicos constituíram produtos específicos que podem dar suporte, também, para outros estudos no município. As informações principais estão reunidas em unidades de compartimentação de terrenos, obtidas através de uma abordagem fisiográfica integrada (Mapa de Compartimentação Fisiográfica, escala 1:50.000). O caráter integrado e interdisciplinar do estudo, associado à qualidade das informações obtidas, favoreceu a plena utilização deste projeto pela Prefeitura local. O uso das informações aplicou-se tanto à gerência das situações de risco no município, como ao planejamento de seu território, sendo por isso incorporado pelo Plano Diretor. Projeto desenvolvido com o apoio financeiro da Prefeitura Municipal de São Sebastião.

    Leia mais

  • 01/01/96

    Geoquímica e análise da deformação do Complexo Itaqui: evolução de granitos cálcio-alcalinos poli-intrusivos

    Projeto de Capacitação - Tese de Doutorado desenvolvida na área de Geologia Regional pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista - UNESP/Rio Claro. Objetivo: Caracterizar a variação do magmatismo cálcio-alcalino frente a uma mudança gradual do regime tectônico associado ao emplacement do granito Itaqui, região metropolitana de São Paulo. Atividades e resultados. Obteve-se os seguintes dados. A) Mapa geológico. B) Elementos estruturais (foliações e lineações magmáticas e tectônicas). C) Critérios microestruturais que distinguissem a deformação magmática da deformação em estado sólido. D) Indicadores cinemáticos da deformação. E) Dados quantitativos da deformação (razão axial de enclaves, método de Fry em megacristais de feldspato-K e anisotropia da susceptibilidade magnética). F) Definição das tendências evolutivas e associações entre as unidades ígneas quanto aos elementos maiores, traços e terras. Conclusões: O granito Itaqui é o resultado da acreção de impulsos magmáticos sucessivos provenientes de uma fonte em contínua mudança genética/evolutiva. Sua diversidade geoquímica caracteriza-se pelo aumento da alcalinidade no decorrer da evolução tectono-magmática. A análise dos dados estruturais, deformacionais e cinemáticos permitiu constatar que cada unidade magmática do granito Itaqui apresenta características estruturais/deformacionais específicas e que a sucessão temporal das unidades magmáticas e suas características tectônicas coadunam-se com um emplacement transpressivo que passa sucessivamente para transcorrente e transtrativo. Tese de Doutorado orientada pelo Prof. Dr. Ebehard Wernick, do IGCE/UNESP-Campus de Rio Claro.

    Leia mais

  • 01/12/95

    Seleção de áreas para implantação de aterro sanitário no município de Sumaré (SP).

    O município de Sumaré (SP) tinha, na época dos levantamentos, uma produção diária de lixo doméstico de 80 toneladas, dispunha este resíduo no aterro sanitário do município vizinho, então no limite de sua capacidade, e necessitava implantar um aterro na área de seu município. O estudo, realizado em escala 1:25.000, teve como objetivo avaliar o meio físico do município, visando a seleção de áreas favoráveis à instalação de um aterro sanitário. Foram consideradas favoráveis as seguintes características: litologias com baixa permeabilidade, grande espessura e sem estruturas rúpteis; nível d'água profundo; aqüíferos com baixa produtividade e áreas com pouca exploração de água subterrânea; terrenos com solo espesso e baixa declividade; áreas com baixa suscetibilidade à erosão; áreas sem ocupação urbana. Após a avaliação destes aspectos foram produzidos 6 mapas: Geológico; Hidrogeológico; de Erodibilidade; de Espessuras dos Materiais Inconsolidados; de Uso e Ocupação do Solo com Delimitação das Áreas Potenciais; de Localização das Áreas Selecionadas. Para as áreas selecionadas foram avaliados aspectos favoráveis e desfavoráveis, elaboradas recomendações para a verificação de características subsuperficiais e hierarquizadas as áreas, com priorização de 2 delas para a efetivação de estudos de detalhe.

    Leia mais