http://igeologico.sp.gov.br

Climatologia

  • 01/12/03

    Planos de manejo do Projeto de Preservação da Mata Atlântica – Fase 2

    O projeto objetiva a elaboração do diagnóstico do meio físico e a elaboração dos planos de manejo das Unidades de Conservação contempladas no PPMA.

    Leia mais

  • 01/01/02

    A evolução histórico-econômica na bacia do rio Piracicaba/SP: Paulínia, um ensaio metodológico de climatologia geográfica

    Projeto de capacitação - Tese de doutorado desenvolvida na área de Geografia Física (Climatologia) sob a orientação do Prof. Dr. José Roberto Tarifa (Departamento de Geografia-FFLCH-USP). Esta pesquisa visa oferecer uma metodologia através da qual possa-se obter um diagnóstico da qualidade ambiental atmosférica de uma área ou região, no caso, aplicada ao município de Paulínia/SP. Através de estudos de cunho teórico - implicações históricas, sociais e econômicas, e de cunho prático - parâmetros e insumos tóxicos atmosféricos, visa-se também discutir as alterações ocorridas a partir da implantação do pólo petroquímico e industrial no município de Paulínia e oferecer sugestões de ações futuras. O município de Paulínia faz parte da Região Metropolitana de Campinas (RMC). Partindo-se do princípio que quantidades e intensidades excessivas de chuva favorecerão a ocorrência de escoamento superficial, infiltração, inundação, movimentos de massa etc., que a direção e a intensidade dos ventos facilitarão ou impedirão o transporte de odores e poluentes atmosféricos a distâncias consideráveis e que situações de inversões térmicas impedirão a dispersão de tais poluentes, foram selecionados os seguintes elementos climáticos para os tratamentos

    Leia mais

  • 01/01/01

    Formação e atualização de banco de dados hidroclimatológicos do Instituto Geológico

    O projeto objetivo sistematizar e manter atualizadas as planilhas se dados hidroclimatológicos do Estado de São Paulo, de forma a facilitar sua busca e permitir uma utilização rápida nas pesquisas científicas desenvolvidas. Todos os dados mensais dos postos pluviométricos da Rede do DAEE (mais de 1000 postos) estão organizadas em planilhas Excel através desse projeto, facilitando seu tratamento e permitindo agilizar o desenvolvimento das pesquisas, uma vez que a obtenção e organização desses dados tornou-se mais rápida e eficiente. No início do projeto não havia a disponibilização desses dados em CD-ROM ou através de consultas na Internet. Atualmente o DAEE, o principal fornecedor de dados de chuva (os mais utilizados nas pesquisas), disponibiliza as informações através do site www.sigrh.sp.gov.br, cuja utilização merece tratamento pois os dados não estão em formato de planilha eletrônica para uso estatístico e análise. O Banco de Dados Hidroclimatológicos do IG desta forma atende as solicitações de dados para projetos, laudos e pareceres técnicos, bem como outras necessidades, com acuidade no levantamento e tratamento, uma vez que a rede de postos do Estado de São Paulo sofre redução no seu número e as falhas e interrupções nas seqüências dos dados são crescentes, principalmente a partir dos anos 90. O projeto prevê continuidade na atualização e aperfeiçoamento nas formas de busca dos dados. Tais atividades, a partir do encerramento formal deste enquanto projeto, devem ser consideradas um serviço de rotina da Seção de Hidroclimatologia-DEGP do IG, atendendo as demandas institucionais necessárias.

    Leia mais

  • 01/01/00

    A cartografia ambiental para o município de São Sebastião-SP: um estudo crítico

    Projeto de Capacitação - Dissertação de mestrado desenvolvida na área de Geografia Humana (Cartografia Ambiental) sob a orientação do Prof. Dr. Marcello Martinelli (Departamento de Geografia-FFLCH-USP). Objetivou-se desenvolver uma discussão metodológica em Geografia voltada ao meio ambiente e a elaboração de um mapa da qualidade ambiental do município de São Sebastião-SP. Vem sendo desenvolvidas análises dos elementos do Quadro Natural, principalmente a Climatologia, Geologia e Geomorfologia, associando esses aspectos à realidade da produção do espaço geográfico do município, que vem sendo submetido a complexos processos de degradação ambiental. Os resultados apontam que toda a área do município está sujeita a apresentar problemas ambientais graves. Existem áreas onde a realidade da ocupação do espaço geográfico, sem apresentar infra-estrutura mínima adequada, associada ao quadro natural, a caracterizam como altamente sujeita a problemas, principalmente os movimentos gravitacionais de massa (exemplo do Bairro de Topolândia). A área ao sul da Serra do Juqueriquerê, de ocupação intensa mais recente, também começa a apresentar problemas semelhantes ao Bairro de Topolândia. O produto final deste estudo irá definir e hierarquizar as áreas críticas do município e propor medidas mitigadoras. As análises dos elementos do quadro natural estão sendo embasadas na Carta de Risco a Movimentos de Massa e Inundação do Município de São Sebastião, IG (1996).

    Leia mais

  • 01/12/99

    Metodologia para Seleção de Áreas para Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos.

    Neste estudo houve o desenvolvimento metodológico e a definição de critérios específicos para seleção de áreas potenciais para disposição de resíduos. Considerou-se uma abordagem em caráter regional (escala 1:100.000), baseada na análise e interpretação de imagens de satélite, e que permitisse a otimização de tempo, de recursos humanos e financeiros. A metodologia desenvolvida foi aplicada à Região Metropolitana de Campinas, a qual inclui dezoito municípios e uma superfície de 3.345 km². A elaboração da metodologia proposta considerou as características geoambientais que possam interferir tanto nas condições de segurança de um empreendimento de recebimento de resíduos, como também na manutenção da qualidade ambiental da região circunvizinha a ele. Assim, foram estudados quatro aspectos fundamentais envolvidos na gestão de resíduos: sócio-políticos, fisiográficos, hidrogeológicos, e climáticos. Após o levantamento e análise dos elementos de interesse para o estudo, foram definidas classes de características e de propriedades consideradas: eliminatórias (determinam áreas que devam ser descartadas para o uso pretendido) e restritivas (possibilitam a hierarquização de áreas potenciais com maior ou menor restrição ao uso pretendido). Assim, é possível priorizar ou planejar estudos de detalhe que subsidiem a definição do tipo de obra mais adequado e de levantamentos e investigações necessários para viabilizar a implantação de um empreendimento.Às informações produzidas e levantadas estão associados sete mapas: de aspectos sócio-políticos; geológico; de compartimentação fisiográfica; de suscetibilidade a processos de erosão, escorregamentos e inundações; de vulnerabilidade natural dos aqüíferos à contaminação; de aspectos climáticos; de áreas selecionadas para disposição de resíduos. A cada mapa estão relacionados bancos de dados. Como produto final foi produzido um Sistema de Informações Georeferenciadas, que permite consultas gerais e dirigidas aos produtos cartográficos, além de associação de mapas e dados.

    Leia mais

  • 01/01/99

    Contribuição ao conhecimento do meio físico no Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira – PETAR (Apiaí e Iporanga, SP).

    O projeto teve como objetivo o estudo multidisciplinar do meio físico num setor (área-piloto) do PETAR. As informações técnicas resultantes dos estudos constituem uma efetiva contribuição científica ao conhecimento do meio físico na área-piloto escolhida. O conjunto de informações resultantes representa um grande avanço no conhecimento do meio físico regional, e poderá subsidiar novos estudos e ações para a conservação e manejo do PETAR. Os resultados obtidos constituíram, também, a base de dados da UNESCO para declarar a região como Patrimônio Natural da Humanidade. Além disso, o projeto resultou na publicação de quatro trabalhos em eventos científicos, três nacionais e um internacional e, estima-se que gerarão outros em futuro próximo.

    Leia mais

  • Balanço Hídrico na Bacia do Rio Capivari-SP

    Realizou-se a caracterização hidrogeológica e hidroclimática da Bacia e o regime hidrológico do rio Capivari através da revisão de teses, dos trabalhos publicados e do cadastramento de dados de poços tubulares profundos utilizados para o abastecimento público. O potencial de exploração dos sistemas aqüíferos foram levantados. O cálculo das componentes do balanço hídrico foram realizados através da interpretação dos dados das séries históricas obtidas em 6 postos pluviométrico do DAEE e distribuídos por toda a área da bacia hidrográfica. O regime hidrológico foi interpretado através da análise das séries históricas de um posto fluviométrico do DAEE, situado no Município de Rafard, no Médio Rio Capivari.

    Leia mais

  • 01/01/98

    Análise da variabilidade temporo-espacial da chuva em diferentes setores do Estado de São Paulo

    Buscou-se analisar, para quatro setores distintos do Estado de São Paulo que compõem um eixo Norte-Sul (Litoral, Campinas, Araraquara e Barretos), a variabilidade da chuva no tempo e no espaço (período de 1941 a 1991). Os setores escolhidos têm importância econômica destacada; totais muito acima ou abaixo do padrão da área podem trazer conseqüências graves ao ambiente (ex. deslizamentos) e atividades econômicas (ex. perdas na agropecuária). Foram realizadas análises voltadas à detecção de padrões de semelhança entre os setores (estatística convencional e multivariada); avaliação dos desvios pluviométricos (distribuição normal-padrão, tempo de retorno) e análise de tendência. O setor Litorâneo é o que mais se distancia dos demais, não apenas em termos dos volumes pluviométricos, muito superiores, mas também quanto às tendências observadas; destaca-se a sensível diminuição dos montantes na primavera nesse setor. Já o setor Barretos (região Norte do Estado, composto também por Icém) vem apresentando tendência geral de aumento dos totais de chuva, perceptível em todas as estações.

    Leia mais

  • 01/12/97

    O clima local de Sorocaba (SP): tendências e análise comparativa cidade-campo

    Projeto de capacitação - Dissertação de Mestrado desenvolvida na área de Geografia Física (Climatologia) sob a orientação do Prof. Dr. José Roberto Tarifa (Departamento de Geografia-FFLCH-USP). Esta pesquisa objetivou caracterizar o clima de Sorocaba-SP, através do desenvolvimento de três abordagens de análise climática: estudo temporo-espacial da variabilidade pluvial regional, a partir de 50 postos pluviométricos para o período de 1972-1991; análise de tendência climática em 42 anos (1950-1991) na Fazenda Ipanema, área rural próxima à Sorocaba, para diversos elementos do clima; estudo detalhado das diferenciações climáticas diárias entre campo e cidade, ao longo de três anos e meio (1987/1ºsemestre de 1990), utilizando-se os dados da Fazenda Ipanema e área urbana de Sorocaba; soma-se à caracterização local do clima um estudo sobre a poluição atmosférica em Sorocaba, entre os anos de 1987 e 1993. Como resultado, pode-se afirmar que Sorocaba situa-se em uma área de transição climática regional. Observou-se a tendência de aquecimento nas temperaturas mínimas médias e absolutas e a queda nas médias de umidade relativa em 42 anos. A análise ininterrupta de três anos e meio de dados diários na cidade e no campo permitiu inferir a existência de um clima urbano e as condições de formação de ilhas de calor e suas magnitudes. Projeto desenvolvido com o apoio financeiro da CAPES.

    Leia mais

  • 01/01/96

    Mapeamento da suscetibilidade à erosão na Bacia do Rio Quilombo-SP.

    O projeto desenvolvido na Bacia do Rio Quilombo, na região de Campinas, teve como objetivo realizar um diagnóstico de perda potencial de solos a partir da aplicação parcial da "Equação Universal de Perdas dos Solos" (USLE), considerando os fatores relacionados ao clima, relevo e solos. Constituiu uma experiência piloto para o Instituto na área de geoprocessamento e cartografia digital, fornecendo novos subsídios à análise geomorfológica. O tratamento em "Sistema de Informação Geográfica" permitiu elaborar e cruzar mapas temáticos, bem como estabelecer índices de correlação entre os fatores da USLE e feições erosivas lineares. O diagnóstico permitiu reconhecer zonas com diferentes suscetibilidades à erosão, sendo importante para diminuir impactos e corrigir tendências na ocupação do espaço agrícola. O projeto foi realizado em parceria com a equipe do programa Tendências e variabilidades hidroclimatológias do Estado de São Paulo.

    Leia mais