http://igeologico.sp.gov.br

Projetos

  • 01/01/91

    Levantamento e avaliação preliminar dos fenômenos de erosão acelerada no médio vale do Paraíba entre Caçapava e Taubaté.

    O principal objetivo do projeto foi detectar e localizar a ocorrência de fenômenos de erosão acelerada no Médio Vale do Paraíba, com mapeamento simples e esquemático das áreas críticas (escala 1:25.000). Trabalhos de fotointerpretação e de campo foram feitos de forma integrada, em todas as fases da pesquisa. O levantamento permitiu estimar a importância atual da erosão acelerada, detectar as áreas críticas e as áreas sujeitas à erosão incipiente e obter uma primeira aproximação das relações dos fenômenos erosivos com os fatos físicos e/ou com a intensidade da ocupação humana. A execução do projeto propiciou ainda o desenvolvimento de uma metodologia geomorfológica para levantamento e cartografação da erosão acelerada, adaptada às condições tradicionais de escassez de dados e recursos financeiros.

    Leia mais

  • 01/12/90

    Subsídios do meio físico-geológico ao planejamento territorial do município de Sorocaba (SP)

    Atendendo demandas externas à Instituição e uma revisão estratégica de atuação, foi criado o Programa Cartas Geológicas e Geotécnicas para o Planejamento Ambiental como subsidio ao processo de industrialização do interior, no eixo entre Sorocaba e Campinas. Os objetivos foram: a) auxiliar no planejamento do meio físico municipal e na Lei Orgânica b) otimizar esforços, recursos humanos e financeiros através de ações interdisciplinares.A otimização em termos de integração entre as equipes técnicas permitiu avançar no conhecimento técnico na busca do entendimento global do sistema analisado. Do ponto de vista aplicado, os produtos gerados serviram de subsídio à elaboração de normas específicas destinadas ao aproveitamento das águas subterrâneas e à superação dos conflitos associados ao aproveitamento dos bens minerais. Sob outro angulo, o projeto serviu como balizador de procedimentos metodológicos, que passaram por contínuo processo evolutivo nos projetos subseqüentes.

    Leia mais

  • Relações estratigráficas e dinâmica deposicional das sequências Betari e Furnas-Lajeado (Grupo Açungui), na região de Apiaí e Iporanga

    Projeto de capacitação - Dissertação de Mestrado. A região de estudo localiza-se no Vale do Ribeira, sul do Estado de São Paulo em região de afloramento do Grupo Açungui, pertencente à Faixa de Dobramentos Apiaí. Os ambientes de sedimentação das seqüências Betari e Furnas-Lajeado foram analisados através da interpretação dos processos sedimentares, análise de fácies, análise seqüencial e reconhecimento da estratigrafia através de conceitos genéticos e temporais. Também foi realizada uma análise estrutural para complementar os argumentos de natureza estratigráfica, assim como recuperar a posição dos estratos sedimentares. Neste projeto foi possível definir: a posição estratigráfica relativa das sequências Betari e Furnas-Lajeado e a sua espessura total aproximada; os ambientes e sistemas deposicionais representados pelas sequências; correlação destas com outras mapeadas também na porção sul do Estado e a influência de tectônica de cavalgamento sobre a geometria atual dos corpos. Dissertação de Mestrado orientada pelo Prof. Dr. Gilberto Amaral, do IG/USP.

    Leia mais

  • Mapeamento geológico da Folha de Salto de Pirapora

    A Folha de Salto de Pirapora, em 1:50.000, localiza-se na borda da Bacia do Paraná e a sudoeste da cidade de Sorocaba. Este mapeamento integrou-se no programa "Estudos geológicos para subsidiar a gestão ambiental no processo de industrialização do interior - Sorocaba/Campinas". Na porção oeste da área aflora o Subgrupo Itararé, e na porção leste, o Grupo São Roque e o Grupo Açungui, separados entre si pela Falha de Taxaquara. Os principais resultados do mapeamento incluem: subdivisão do Subgrupo Itararé em três unidades litoestratigráficas a partir da análise de afloramentos e de perfis de poços; análise dos efeitos da intrusão alcalina de Ipanema sobre as espessuras do Subgrupo Itararé; e identificação e caracterização de três fases de deformação dúctil afetando o Grupo São Roque e do metamorfismo que as acompanhou.

    Leia mais

  • 01/01/89

    Avaliação dos Recursos Hídricos Subterrâneos: Ocorrência e Explotação – Folha de Salto de Pirapora – SP (1:50.000)

    A Folha de Salto de Pirapora (1:50.000) localiza-se a sudoeste de Sorocaba, na região centro-leste do Estado de São Paulo. O clima é tropical úmido com temperaturas médias máximas e mínimas entre 28ºC e 10ºC e o total pluviométrico ultrapassa 1.100 mm/ano. A geologia é marcada por rochas do Embasamento Cristalino, compreendendo os Grupos São Roque e Açungui e sedimentos do Grupo Tubarão. As estruturas tectônicas mais significativas na área são as falhas de Taxaquara e Pirapora, ambas de direção NE. Os poços do Sistema Aqüífero Cristalino apresentaram melhores valores de capacidade específica média (0,60 m3/h/m), seguido dos poços do Tubarão (0,13 m3/h/m). Os poços mistos apresentaram capacidade específica média de 0,41 m3/h/m. Os Sistemas Aqüíferos Tubarão e Cristalino apresentaram águas dos tipos bicarbonatada cálcica e bicarbonatada sódica, respectivamente. Os baixos valores de STD (sólidos totais dissolvidos) e de condutividade elétrica, bem como os de ITB (índice de troca de base), indicam curto tempo de residência. As águas subterrâneas apresentam-se, de um modo geral, com elevado potencial corrosivo. As águas obedecem aos padrões de potabilidade e não apresentam restrições quanto ao uso humano e agropecuário. Os valores positivos das análises bacteriológicas demonstram a falta de manutenção e proteção sanitária dos poços tubulares, fazendo-se necessária a adoção de medidas que sanem os problemas apresentados.

    Leia mais