http://igeologico.sp.gov.br

Projetos

  • 01/12/90

    Mapeamento geológico da Folha de Salto de Pirapora

    A Folha de Salto de Pirapora, em 1:50.000, localiza-se na borda da Bacia do Paraná e a sudoeste da cidade de Sorocaba. Este mapeamento integrou-se no programa "Estudos geológicos para subsidiar a gestão ambiental no processo de industrialização do interior - Sorocaba/Campinas". Na porção oeste da área aflora o Subgrupo Itararé, e na porção leste, o Grupo São Roque e o Grupo Açungui, separados entre si pela Falha de Taxaquara. Os principais resultados do mapeamento incluem: subdivisão do Subgrupo Itararé em três unidades litoestratigráficas a partir da análise de afloramentos e de perfis de poços; análise dos efeitos da intrusão alcalina de Ipanema sobre as espessuras do Subgrupo Itararé; e identificação e caracterização de três fases de deformação dúctil afetando o Grupo São Roque e do metamorfismo que as acompanhou.

    Leia mais

  • 01/01/89

    Avaliação dos Recursos Hídricos Subterrâneos: Ocorrência e Explotação – Folha de Salto de Pirapora – SP (1:50.000)

    A Folha de Salto de Pirapora (1:50.000) localiza-se a sudoeste de Sorocaba, na região centro-leste do Estado de São Paulo. O clima é tropical úmido com temperaturas médias máximas e mínimas entre 28ºC e 10ºC e o total pluviométrico ultrapassa 1.100 mm/ano. A geologia é marcada por rochas do Embasamento Cristalino, compreendendo os Grupos São Roque e Açungui e sedimentos do Grupo Tubarão. As estruturas tectônicas mais significativas na área são as falhas de Taxaquara e Pirapora, ambas de direção NE. Os poços do Sistema Aqüífero Cristalino apresentaram melhores valores de capacidade específica média (0,60 m3/h/m), seguido dos poços do Tubarão (0,13 m3/h/m). Os poços mistos apresentaram capacidade específica média de 0,41 m3/h/m. Os Sistemas Aqüíferos Tubarão e Cristalino apresentaram águas dos tipos bicarbonatada cálcica e bicarbonatada sódica, respectivamente. Os baixos valores de STD (sólidos totais dissolvidos) e de condutividade elétrica, bem como os de ITB (índice de troca de base), indicam curto tempo de residência. As águas subterrâneas apresentam-se, de um modo geral, com elevado potencial corrosivo. As águas obedecem aos padrões de potabilidade e não apresentam restrições quanto ao uso humano e agropecuário. Os valores positivos das análises bacteriológicas demonstram a falta de manutenção e proteção sanitária dos poços tubulares, fazendo-se necessária a adoção de medidas que sanem os problemas apresentados.

    Leia mais